28 de abr de 2014

Solstício

Tenho o desejo que teu corpo me provoca
Cada centímetro
Unanime
Me fisga num faz de conta sendo Um Teu, sem Eu de nada,
 já que meu nome engoliste no ultimo beijo e agora sufocas.
Ande logo e respire o que sinto, solta na minha cara para que possa tragar e te fazer esconder o azul desses olhos em suspiros.


Pena que nós vimos quando tu me vendeu.
(...) Em livros velhos e caixas usadas
Ouvi muito dizer sobre ódio, porem sem saber de nenhuma historia
Tu se vendeu ao passado em cantos antigos.
Oras, hoje eu virei livro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário