28 de abr de 2014

Solstício

Tenho o desejo que teu corpo me provoca
Cada centímetro
Unanime
Me fisga num faz de conta sendo Um Teu, sem Eu de nada,
 já que meu nome engoliste no ultimo beijo e agora sufocas.
Ande logo e respire o que sinto, solta na minha cara para que possa tragar e te fazer esconder o azul desses olhos em suspiros.


Pena que nós vimos quando tu me vendeu.
(...) Em livros velhos e caixas usadas
Ouvi muito dizer sobre ódio, porem sem saber de nenhuma historia
Tu se vendeu ao passado em cantos antigos.
Oras, hoje eu virei livro.

25 de abr de 2014

Despertando

Um dia quem vai vim te acordar bem cedo serão seus pensamentos.
Eles não vêm com beijos ou puxando as cobertas como um irmão implicante.
Eles virão corroendo por dentro do peito e nos mostrando que a vida só foi desse jeito até ontem à noite.

Até ontem à noite você estava bem perto de conseguir SER a revolução.
Até ontem à noite seu sono foi tranquilo.
Até ontem à noite você ainda era uma criança.


24 de abr de 2014

Cozinha.

Se pudesse fazer um doce seria de ti.
Pra ter o prazer de despir.
Por te em minha boca e mastigar.
Fechar os olhos e deixar seu cheiro me invadir
E as lembranças encarregadas do sabor e afins






8 de abr de 2014

É tão certo quanto o preto em seu vestido branco

Vem a música desentupindo meus ouvidos
Levada pelos mesmos caminhos que esqueci de mapear
Corredores com telas onde me desdobro
Vê-me música!
Com a cara mergulhada em desilusão, um cigarro e plástico bolha.

É possível que tenha morrido
Tal qual o preto em seu vestido branco