9 de mai de 2016

Paixão de ônibus

A janela serviu de moldura
Para a luz no olhar a
Procura

Vieste do mar
Vestindo meu ar
Vã imã de olhar

Agora visse? 
e versa 
Atravessando a nostalgia
com versos as pressas  

Presa
Minhas presas
Não encontram lugar
Agarradas ao verbete 
que diz:
Pra sempre vou te amar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário